quinta-feira, 10 de maio de 2012

SACODE AS NUVENS




Sacode as nuvens

Sacode as nuvens que te poisam nos cabelos,
Sacode as aves que te levam o olhar.
Sacode os sonhos mais pesados do que as pedras.

Porque eu cheguei e é tempo de me veres,
Mesmo que os meus gestos te trespassem
De solidão e tu caias em poeira,
Mesmo que a minha voz queime o ar que respiras
E os teus olhos nunca mais possam olhar.
(Sophia de Mello Breyner Andresen)

8 comentários:

  1. Estimada Amiga Ester Afonso,
    Adorei este belo poema pois o senti.
    Abraço amigo e óptimo fim de semana

    ResponderEliminar
  2. Belíssima escolha poética.
    Beijo, querida amiga.

    ResponderEliminar
  3. Lindo minha querida.
    Bom domingo

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  4. É tempo de sacudir as nuvens que pairam nos cabelos e de olhar através dos... olhos!

    ResponderEliminar
  5. *
    grato pela tua escolha,
    ,
    Sophia,
    continuas a sacudir
    as brumas, deste povo,
    ,
    e relembro:

    E em frente desta gente
    Ignorada e pisada
    Como a pedra do chão
    E mais do que a pedra
    Humilhada e calcada . . .
    ,
    in-sophia !
    *

    ResponderEliminar
  6. Hoje sim, é novamente dia de sacudir as nuvens...
    Bom fim de semana
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Há pouco as nuvens sobre o Tejo estavam mesmo a pedir para alguém as sacudir, pareciam flocos brancos e cinzentos claros de neve...

    ResponderEliminar