segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

CANÇÃO DAS MULHERES



JANEIRO 2012


HOJE descubri alguém, que me deixou fascinada - LYA LUFT

Passei os olhos na sua Biografia, em algumas das suas obras e em muitos dos seus escritos e, decidi que vou divulgar LYA LUFT nos próximos posts.

De tudo que hoje li, escolho para começar a CANÇÃO DAS MULHERES.


CANÇÃO DAS MULHERES


Que o outro saiba quando estou com medo, e me tome nos braços sem fazer perguntas demais.


Que o outro note quando preciso de silêncio e não vá embora batendo a porta, mas entenda que não o amarei menos porque estou quieta.


Que o outro aceite que me preocupo com ele e não se irrite com minha solicitude, e se ela for excessiva saiba me dizer isso com delicadeza ou bom humor.


Que o outro perceba minha fragilidade e não ria de mim, nem se aproveite disso.


Que se eu faço uma bobagem o outro goste um pouco mais de mim, porque também preciso poder fazer tolices tantas vezes.


Que se estou apenas cansada o outro não pense logo que estou nervosa, ou doente, ou agressiva, nem diga que reclamo demais.


Que o outro sinta quanto me dói a idéia da perda, e ouse ficar comigo um pouco - em lugar de voltar logo à sua vida.


Que se estou numa fase ruim o outro seja meu cúmplice, mas sem fazer alarde nem dizendo ''Olha que estou tendo muita paciência com você!''


Que quando sem querer eu digo uma coisa bem inadequada diante de mais pessoas, o outro não me exponha nem me ridicularize.


Que se eventualmente perco a paciência, perco a graça e perco a compostura, o outro ainda assim me ache linda e me admire.


Que o outro não me considere sempre disponível, sempre necessariamente compreensiva, mas me aceite quando não estou podendo ser nada disso.


Que, finalmente, o outro entenda que mesmo se às vezes me esforço, não sou, nem devo ser, a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa:

vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa - uma mulher.
Lya Luft

20 comentários:

  1. LYA FETT nasceu em Santa Cruz do Sul, uma cidade de colonização alemã, como filha do advogado e juiz Arthur Germano Fett.

    A sua família tinha muito orgulho de suas raízes germânicas e, por isso, considerava-se superior aos "brasileiros", embora seus integrantes tivessem chegado ao Brasil em 1825.

    Durante sua juventude, Lya foi uma tida como uma menina desobediente e contestadora: não gostava de aprender a cozinhar nem a bordar e chegou a ser mandada para um internato durante dois meses.

    Porém, desde cedo foi uma ávida leitora — aos onze anos, já recitava poemas de Göethe e Schiller — e tinha um relacionamento mais natural com o pai, um homem culto a quem idolatrava, do que com a mãe.

    Aos dezenove anos, ela se converteu ao catolicismo, espantando aos pais, ambos luteranos.

    ResponderEliminar
  2. A partir de 1959, Lya Luft passou a residir em Porto Alegre, onde se diplomou em Pedagogia e em Letras Anglo-Germânicas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

    Passou a trabalhar então como tradutora de literaturas em alemão e inglês — já traduziu para o português mais de cem livros, dentre os quais se destacam traduções de Virginia Wolf,
    Rainer Maria Rilke,
    Hermann Hesse,
    Doris Lessing,
    Günter Grass,
    Botho Strauss
    e Thomas Mann.
    Em 1963, aos vinte e um anos, Lya se casou com Celso Pedro Luft,
    então um irmão marista, dezenove anos mais velho do que ela.

    Eles se conheceram durante uma prova de vestibular, para a qual ela chegara atrasada.
    Ela e seu marido tiveram três filhos: Suzana (1965), André (1966) e Eduardo (1969).

    ResponderEliminar
  3. De 1970 a 1982, ela trabalhou como professora titular de Linguística na FAPA e obteve o grau de mestra em Linguística (1975, pela PUCRS) e em Literatura Brasileira (1978, pela UFRGS).

    Em 1985, Lya Luft anulou seu casamento com Celso para viver com o psicanalista e também escritor Hélio Pellegrino, no Rio de Janeiro.

    Eles foram apresentados um ao outros por Nélida Piñon.
    Em 1992, quatro anos após a morte de Pellegrino,
    Lya voltou a viver como esposa de Celso Luft,
    de quem ficou viúva em 1995.

    É opositora do ex-presidente Lula e do PT, sendo simpatizante do PSDB e do ex-governador de São Paulo, José Serra, tendo declarado seu voto a este no horário eleitoral em 2010.

    ResponderEliminar
  4. Já tomei nota do nome.

    Os livros que li este mês, de que te falei no meu blogue são:

    “O Bom Nome” de Jhumpa Lahiri

    “Sweetness in the Belly” de Camilla Gibb – não sei qual a tradução em português. Este já o tinha lido há poucos anos mas gostei de o reler

    e “A chave de Sarah” (há um filme baseado neste livro) de Tatiana de Rosnay. Gostei imenso.

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Muito interessante!
    Alguém deveria escrever a Canção dos Homens! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. A canção dos homens...!
    Há coisas que eu vejo com um sentimentalismo desmedido, outras nem por isso... e tenho pena!
    Será que homem tem tempo, de parar e debruçar-se sobre os sentimentos das mulheres e pelo menos ler o que Lya Luft escreveu?
    Para mim, homem perde tempo correndo atrás duma bola, e do seu Clube de eleição e nessas alturas esquece que aqueles que o poderiam amar, e amam, estão a fugir-lhe, por falta de carinho (isso é uma pieguice inconcebível nos tempos que correm,para ele...)
    Era bonito que homem parasse para conhecer melhor os sentimentos das mulheres, mas não... o que eles conhecem bem é o desejo deles o que lhes dá prazer.

    ResponderEliminar
  7. Olá,Tulipa!!

    Que bela escolha fizeste!!!Um belíssimo texto da Lya!
    Vi seu comentário na Lilá(s),e como a Lya é escritora aqui da minha terra fiquei curiosa!
    E sabes que além de ser uma mulher culta ela é simples e muito educada!Não tive o prazer de conhece-la,mas meu marido sim.Ela levou o carro na revenda que ele trabalha,conversou com todos, ele ficou encantado!
    Beijos!!

    ResponderEliminar
  8. Se fosse visita assídua da minha "tasca" já conhecia a Lia Luft há alguns anos, pois costumo afixar um poema por ano no aniversários do nascimento!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Um belíssimo texto da Lya Luft! já conhecia alguns poemas e frases dela. Grande mulher.
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Estimada Amiga:
    Realmente, notável e extraordinário sentir de pperfeição e pureza.
    É linda no que concebe de encanto que maravilha.
    Beijinhos cristalinos perante a sua beleza.
    Semre a admirá-la.
    Grato pela gigantesca e notável presença no meu blog. Foi doce.

    pena

    Adorei.
    Tinha razão, é sublime.
    É fantástica e mágica no que cria de profunda significação.

    ResponderEliminar
  11. mulher...
    é ser companheira...
    é sorrir

    apenas...

    tal como o homem...

    abrazo serrano

    ResponderEliminar
  12. Ah! se o homem conseguisse ser tudo isso, a vida seria perfeita e isso é uma utopia! Mas, quando há amor verdadeiro, quanta coisa se consegue...
    esperemos confiantes, que um dia esse amor nos encontrará numa qualquer curva do caminho.
    Vou gostar de saber mais sobre Lya Luft.
    Obrigada pela apresentação.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  13. Belissimo este texto

    Próprio de ti

    Adorei

    Bjgrande do Lago

    Agradecida pela tus visita

    ResponderEliminar
  14. Minha amiga que mensagem maravilhosa e que diz claramente o que nos vai na alma.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  15. Amiga
    Um texto lindo e de uma pessoa com uma grande alma para poder pensar e transmitir o que sente.
    Não conheço a escritora mas fiquei curiosa.Adorei receber a sua visita e voltarei.
    Bom fim de semana
    Abraço
    Nélia

    ResponderEliminar
  16. Ad Mulheres merecem tudo! Um beijinhooooooo

    ResponderEliminar
  17. Belíssimo poema!
    Andei a visitar o blogue e descobri grandes talentos.

    ResponderEliminar